Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]

MIOLOS À FONDUE

Hoje de noite estava eu polindo meus óculos pra clarear os pensamentos.
O caldeirão que é a mente humana, quando levanta fervura sobe um vapor mal-cheiroso que vem das coisas mal-dissolvidas que habitam o fundo da panela, como destroços de navios no fundo do mar.
Essas coisas, nós a vimos uma vez e não as veremos mais, mas sempre sentiremos sua presença, seu fedor fantasmagórico nos lembrando que ainda existem.
Volta e meia ouviremos o arranhar sutil de suas barrigas no casco da 'cachola - caçarola' enquanto elas boiam.
As ervas-daninhas, as algas marinhas que se camuflam nas águas turvas da nossa tina de carne.
Os peixes que não se come, os monstros que não se sabe.


Juan Barto