Funcionário do mês

CRÔNICAS, CONTOS E TEXTOS POÉTICOS, NÃO POESIAS.
Eu hoje estou amargo.
Eu hoje estou travoso.
Eu hoje sou tamarindo e eu quero ficar assim; imaginando que as coisas são ruins.
Eu hoje não quero ninguém rindo perto de mim.
Esqueceram o meu nome e aonde me encontrar.
Só lembram do que querem e quando precisam lembrar.
Seus abraços, mesmo tendo sido milhares, hoje procuro ao menos um caído atrás do sofá, não acho e não há quem ache.
"Novidade" às vezes me irrita.
Há aquelas que realmente vem para passar uma vassoura nas teias de aranha dos cantos de parede mais altos, mas tem também o novo nocivo, o novo 'velho do saco'; que leva as pessoas embora nas costas.
"Estava tudo tranqüilo até o novo chegar com suas escavadeiras"
Estagnado entre o começo e o meio até o 'enfim...'
Reclamar me acalma, é o meu cigarro.



Juan Barto