Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]

FADADO A CONTINUAR

Tentei fazer uma música pra você, mas a fome não deixou.
São poucos os que engolem alfinetes e cospem a roupa já feita.
Minha mão, de uma magreza macia, batendo a poeira dos móveis.
Poeira é a caspa do tempo.



Juan Barto

CONSEGUIMOS

Nós chegamos ao fim da linha sem perder a linha.
Conseguimos chegar, mas não ilesos, pois em certos momentos a gangorra pendeu só pra um lado.
Justamente o que não era o nosso, estávamos do outro.
Sentindo o gosto de soro caseiro saindo de dentro do olho.
Mas conseguimos!
Tomamos esse sorvete sem se melar.




Juan. Barto
Meu coração murcho como uma passa, pequeno como uma noz.
Tá faltando fôlego, tá faltando voz!
Só a revolta de uma revolta sem sentido e um choro que a principio não sai, mas vai.
É outra vez outra vez!
Pensei que você fosse alguém que eu conhecia.
Pensei que você fosse alguém que eu conhecesse.
Pensei que você fosse alguém.
Pensei que com você fosse dar certo.
Impossível, com essa sua pessoa errada!
Não percebi a tempo
Ih , só lamento.
[Isolamento]
Queria de verdade ser aquele que vai te inspirar a mudar.
E sairia nos jornais em letras garrafais:“DESABROCHOU!!!”
Você é a borboleta me escapando pela janela que eu mesmo deixei aberta.
E eu sou a mariposa contornando o poste.
Você é o poste.
Tudo de repente parece ser tão inalcançável que me sinto um hipócrita em desejar a alguém um “boa sorte!”



Juan Barto