Funcionário do mês

CRÔNICAS, CONTOS E TEXTOS POÉTICOS, NÃO POESIA.
A meia luz deixa o quarto como se fosse um útero.
Eu ando pelas linhas finas dos banjos, e os anjos pedem pelo amor de Deus pra que eu volte.
Eu prefiro antes pegar um solzinho sozinho.



Juan Barto
De vez em quando o mundo faz sentido
e de vez em quando é comigo.
As vezes eu paro e penso que a recompensa compensa.
Sonhei uma noite inteira em película de filmes dos anos setenta.
O ar cheirava a morango.
O que pedimos é o que diz quem nós somos.
Estalactites nas pontas do corpo.



Juan Barto
Pra frente!
Atrás de gente que esteja atrás de andar com a gente.




Juan Barto
Que o amanhã não venha pintado de preto, pois o preto me sufoca.
Que eu possa...
Que eu sempre possa!
Que o passado não me passe
não embace
Não seja impasse.

Juan Barto
Descompor o pôr do sol, pintar de verde e ser minha aurora boreal.
Te tatuei numa 'love song' e te escondi num sonho bom entre as folhas de hortelã.
E eu que me sentia um pouco opaco, esfumaçado como um desenho feito a giz
hoje sou passarinho arrepiado, morador do meio do mato e feliz.




juan barto