Funcionário do mês

CRÔNICAS, CONTOS E TEXTOS POÉTICOS, NÃO POESIA.
Peguei o meu cavalo e minha espada e parti determinado a salvar minha amada, a rainha, das mãos daquele terrível rei que a mantinha presa na torre.
Num lance fulminante, numa batalha sangrenta o venci.
Sem mais demora, fomos atrás de um bispo que pudesse, enfim, selar nossa união.
Mas no caminho, fomos cercados por peões que me levaram e me condenaram a apodrecer no xadrez.
Só escapei de viver o resto da minha vida em preto e branco, porque pagaram minha fiança com um cheque(mate).


Juan Barto