Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]
O amor é como uma porta de vidro, a gente nunca tem certeza absoluta se está lá ou não, até que decidimos arriscar seguir em frente.
Eventualmente damos uma testada certeira, explodindo tudo. Dor lancinante na cabeça, afinal, quebramos a cara!
E ai, naturalmente, você passa a evitar portas de vidro.
Só atravessa se alguém for antes na sua frente.
Me deixo levar e depois não sei voltar.
Seria de se esperar que depois de se perder tantas vezes, a gente decorasse o caminho certo, mas quando se vai conversando distraído não dá pra prestar muita atenção no chão.
 Se apaixonar é assim, a ida é sempre de avião, a volta é sempre à pé.



Juan Barto