Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]

INFÂNCIA EM SLIDES

Adorava acordar e ficar deitado ouvindo os adultos conversando na cozinha.
Não por espionagem, era mais porque dava um certo conforto saber que estava só no quarto, mas não na casa, não no mundo.
Criança tem pavor de acordar só.
A casa logo cedo ficaria perfumada com cheiro de pré - almoço.
Bom era quando levantava meio sonolento, ia na cozinha ainda esfregando os olhos e era recebido pela mãe, que dizia: "Olha ele ai! Quer seu leite agora?".
Meus dias de majestade.
Ensinar a fazer café qualquer um ensina, mas minha mãe me ensinou algo muito mais valioso, me ensinou a lavar meu próprio prato.
Meus amiguinhos de prédio eram todos um pouco mais novos do que eu, e quando eles caiam, se machucavam e choravam a culpa era sempre minha e eu tinha que ouvir desaforo da mãe dos outros, depois desaforo da minha própria mãe por ter ouvido calado o desaforo da mãe dos outros.
Então deixe me ver se eu entendi direito: Se apanhar na rua, apanha em casa pra aprender a não apanhar?
Passei a brincar só. A simplicidade me fascinando desde cedo,
Outro dia, achei uma fita cassete com a voz da minha avó.
Uma mini caixinha preta, como a dos aviões, guardando minha avó, protegendo-a do tempo.
Calma vovó, a senhora está segura, pois eu fiz um back up seu em outro tipo de caixa, a craniana.
Saudades... Você sabe.



Juan Barto