Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]
Como uma música tecno que dispara às seis da manhã, te catapultando pro mundo dos acordados bem cedo e te fazendo trocar o quente pelo frio, o escuro pelo claro, o silêncio pelo barulho, o lúdico pelo lúcido e o individual pelo coletivo.
Essas escolhas não fazem sentido, por isso te pagam para fazê-las.
Ele entra e sai cento e cinquenta vezes no banheiro buscando e deixando coisas enquanto a tevê passa um jornal quentinho para as pessoas engolirem sem cuspe.
A casa pulsando.
A luzinha verde da sanduicheira elétrica acende. GO!
Descendo as escadas à toda, como Lola correndo por Berlim
'Fora, ai vou eu!'
Termina de engolir o sanduíche antes mesmo de passar pela portaria do prédio.
Se força a acreditar que essa segunda-feira é uma fase de vídeo game, uma grande festa rave que a gente passa 'doçado' e adoçado com o que tem a mão, com o que tem em mente e terminamos agitados, prontos para bebermos e sermos bebidos.
Coração que tá cariado só pensa em formas e reformas.
Ser em alguém a sensação de um bom banho num dia ruim.
Amigos de verdade são peões defendendo o rei.
A rainha é a sorte, embora ela possa andar em todas as casas, em todas as direções, uma distraçãozinha de nada e zás! Comeram-na!


Juan Barto