Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]
-É com um sorriso nos olhos que eu te digo: Eu sem você passo. Você sem mim não passa... de um troço. E só não te meto um tiro aqui, ou melhor, ai, bem no meio dessa tua testa de zinco, não por ti, não por ter dó, porque quem tem dó é violão. Mas por mim. Porque acredito piamente na lei do três vezes, mais até do que em Deus, e não quero que numa bela noite, saindo de um bar feliz por ser sexta feira, um marginalzinho imundo e sequelado querendo meu celular pra trocar por uma pedra de crack, me dê três tiros. Porque a lei dos três vezes faz isso rapaz! É, também sei ser egoísta. E cale a boca que ninguém aqui está falando com você! Estou falando só. Aliás, hábito esse, que adquiri numa das centenas e milhares de noites que você saia pra comer bucetas cruas por ai e eu ficava em casa olhando ora pra televisão, ora pras paredes. Passei a conversar comigo mesma. Sim, eu sabia que você saia pra comer bucetas. Como? Porque eu também tenho uma, idiota! Eu sei sentir o cheiro de homem fedendo a buceta. Ainda mais quando não é a minha! Quer saber? você é uma barata muito feinha e asquerosa. Mudei de idéia. Vou atirar no seu saco e espalhar o seus mini-bostinhas todos pelo chão e depois esfregar sua cara que nem a gente faz com cachorro que mija no tapete da sala. "Aqui não Rex!    
Apontando para o chão - "Aqui não!"
" TÁ ME OUVINDO "REX? AQUI  (Batendo no peito) NÃO! "- Atira.


Juan Barreto