Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]
-Se você jogar uma semente numa pilha de carvão, você espera que cresça alguma coisa?
-Depende do quanto eu regue! - Responde o menino com um sorriso de triunfo. Sorriso de quem acertou quem era o assassino antes do fim do filme.
-Aí é que está, seu problema é sempre ser óbvio e isso já se tornou óbvio.
-E então o que? - Pergunta de má vontade, franzindo a testa irritado e cruzando os braços.
-Não vai crescer nada. Carvão não se rega. Se queima!
-Foi o que eu quis dizer.
-Não é a toa que 'quis' rima com 'giz'. Você passa a mão por cima e tudo fica esfumaçado, difuso, ruim de compreender. Seu cérebro comanda seus olhos, e não o contrário.
'Lógica' seria a proparoxítona adequada pra guiar você!
E após ter mexido com os pensamentos do menino, o velho voltou a mexer seu café com leite.





Juan Barto