Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]
Não importa se você é de seda, guardanapo ou de papel de pão, o que importa é o que você tem por dentro.

---------------------------------------------------------------------

A arte é como uma conta de luz que ninguém é obrigado a pagar, porém, ninguém tem mais o poder de mandar cortar.



Juan Barto
O homem quando está sozinho investe todo o seu tempo pensando no que fazer quando estiver em coletivo, e quando está em coletivo não vê a hora de ir pra casa ficar sozinho.
Somos protótipos que vivem na prototipolândia.
Somos bonecos de cabeça redonda e corpo de gravetos rascunhados por Deus, mas roteirizados pelo diabo.
Na palavra "imediatismo' o sufixo 'ismo' sem dúvida remete a doença.
Eu não pego em armas, o mais próximo que eu chego de um gatilho são as alças das minhas xícaras.
Se apaixonar não é uma questão de 'on/off', está mais pra 'ying/yang'.
Em dias sépias como um café com leite,  desejo que nosso amor dure a eternidade de uma aula chata.





Juan Barto
O tempo é um cachorro que não atende a ninguém e a vida é uma rodoviária onde você escolhe em qual ônibus subir, mas o motorista é quem decide onde você vai descer.

-----------------------------------------------------------------------

Errar cada vez mais por menos é uma forma de progressão, o dia de acertar é uma consequência matemática, pode ser que demore, mas tempo? Tem, pô!

-----------------------------------------------------------------------

'Cordialidade' é troco.
Eu te dei cinco cruzeiros de carinho e você me voltou trinta centavos de "Bom dia".
Tudo bem, eu sei que  'amor' é uma palavra que não sabe o que está dizendo.


-----------------------------------------------------------------------


Juan Barto
Ela olhou o amigo sentado a sua frente, inclinou-se para frente como se partilhasse um segredo e por fim falou:
-Repare que o lápis azul vem sempre ao lado do lápis azul-escuro na caixa de lápis coloridos....E nunca deu briga.
-Verdade. - Respondeu o amigo.
-Sabe... -  Continuou ela, apoiando as mãos sobre a mesa fria de plástico. - Esses dias, eu sonhei que morava numa cabana na lua, e olhar o universo era como estar cercada de árvores de natal extremamente enfeitadas.
-Fabuloso!
-Meio 'O pequeno príncipe', mas só que eu tinha banheiro.
Começara a chover forte e repentiamente. As mini agulhas d'água picando a vidraça da lanchonete insistentemente, pessoas correndo nas ruas tentando se abrigar.


Juan Barto
O dia estava chegando ao seu fim, quando o céu fica ao mesmo tempo azul leitoso, rosa e baunilha como se fosse um drink exótico gigante e depois muda lentamente pra o grafite.
Deus mexendo no contraste do controle remoto.
Era tão gostoso isso de voltar pra casa que os momentos ruins já nem tinham mais peso nem dentes. Àquela hora as ruas rapidamente viravam um mar de latarias metálicas de carros e seus pisca-alertas como se fossem peixes Beta elétricos. Enquanto que os postes, faróis das calçadas, verdadeiros vigias de concreto e do concreto só nos olham de cima pra baixo.
A estratégia dos produtores de lazer como teatro e cinema era colocar promoções de meia entrada no meio da semana tornando sua programação apenas meio cara, motivando as mulheres dos malandros a motivarem os malandros a se levantarem da rede e desconectarem da rede, criando um sistema ritualístico de estrangeirismos que levava algumas horas pra ser cumprido: Net / Rush / GPS/ Epic or Fail/ Happy Hour/ Home, sweet Home/ Net. Vamos nos jogando de um estrangeirismo pro outro até fechar o círculo.
Repare que livros não entram nessa de ter um dia fixo da semana pra serem vendidos pela metade do preço. Nem sebo nem livraria aceitam carteirinha de estudante.
Começava a escorrer gente de tudo quanto é lugar, de todos os vãos e rachaduras da cidade, mas isso era normal na rotina de qualquer quarta feira de qualquer cidade grande onde há futebol nas tevês e tevês nos bares.
Se a gente vivesse numa selva (se?) o bar seria o lago onde todos os animais se refrescam. Os crocodilos seriam aqueles caras encostados no balcão fingindo que estão distraídos mexendo no celular ou brincando de rodar o gelo do copo de uísque e quando a gente se aproximasse bem despercebidos e estivéssemos no meio de um “Me dá uma caipirin...” eles nos dariam uma gravata no pescoço e nos arrastariam lá pra fora, que seria o mesmo que 'lá pra dentro', se o bar fosse de fato um lago.


juan barreto

FOCO

-Eu te trai naquele dia do jogo do flamengo.
-NO DIA DO JOGO DO FLAMENGO?
Homens...


Juan Barto