Funcionário do mês

CRÔNICAS, CONTOS E TEXTOS POÉTICOS, NÃO POESIA.
O amor é um canivete conivente com a dor do corte.
Não rasga porque não tem dentes, mas fura e chupa o sangue do hospedeiro até a morte.
No dia seguinte, amanhece espalhando manteiga no pão como se nada tivesse acontecido.
O amor é um canivete suíço.
O amor é um canivete, só isso.


Juan Barto


Foto: Juan Barto