Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]

Procelas & Borrascas

Ou você é uma pessoa indignada ou você é uma pessoa 'num digo é nada!", pois para mim só dois tipos não se revoltam pelo menos uma vez por dia: os mortos e os que já estão com a vida ganha.
É muita mão pra cima agradecendo aos céus e pouca mão pra baixo ajudando a levantar quem está no chão.
Água mole em pedra dura, tanto bate até que jura
(que só estava brincando).
Correnteza recorrente.


Juan Barto
O que ela mais queria era destravar as legendas dos trechos da sua vida que inexplicavelmente estavam narrados em russo. Como não conseguia entende-los, limitava-se a tentar sobreviver a eles captando o contexto dos acontecimentos pelos tons de voz e expressões faciais das pessoas ao redor.
Ficava nesse estado de serenidade fingida, de asfixia cognitiva, até sentir sua língua materna lhe dando novamente de mamar.
Sua pele se ouriçava de eletricidade silenciosa, como um plástico bolha bege, cada vez que sentia um coloquialismo chupar seu pescoço e morder seu antebraço. Seu coração pensava "Diga me com quem "ainda", que eu te direi quem és!"
Era quando se percebia feita do mesmo material que os sorrisos; de carne e osso.



Juan Barto


"Oportunidade" é como uma ponta de durex; adora fazer cu doce para aparecer.
Enquanto se esconde em si mesma, se delicia com a irritação de quem a procura.
No dia que tiver um prêmio para "pessoas que quase conseguiram", talvez eu quase ganhe.



Juan Barto

É preferível se vender por pouco do que se emprestar de graça e ser devolvido em péssimo estado.
Nesse negócio de "engenharia social" eu não passo de um simples ajudante de pedreiro.
Minha coleção de "sei lá's" só cresce, não há estante que chegue e nem ninguém aparece para eu trocar meus exemplares repetidos.
A garrafa térmica é uma teta de plástico que esguicha leite preto na nossa boca do estômago de maneira 'intranervosa', nos obrigando a ficar conscientes durante a cirurgia de remoção de vontades. Laqueadura dos sonhos.



Juan Barto








Pouca gente gosta de jogar xadrez, dizem que é muito difícil.
Eu sempre acreditei que elas se referiam as regras, a ter que decorar os movimentos sonsos das peças, o nível cavalar de atenção necessária, visando não cair nas estratégias ardilosas, enfim, a parte mecânica da dança... mas não!
A resposta é um pouco mais existencialista do que mundana. Alegam ser difícil, porque é um jogo sem a menor margem para bodes expiatórios. No xadrez é tudo à céu aberto, não cabe argumentos como:
"Ah, mas também o adversário recebeu "uma mão" melhor que a minha!"
No xadrez, 100% de suas derrotas são oriundas, literalmente, de movimentos equivocados que você, e unicamente você, ESCOLHEU fazer.
E convenhamos, assumir sozinho a culpa total de suas próprias decisões erradas realmente é brutal, uma das coisas mais difíceis que se pode exigir de um ser humano.
Agora faz sentido a preferência por baralho, baralho é cheio de vírgulas, dá brecha para ases escondidos na manga, para cartas sutilmente marcadas, dá  para terceirizar o fracasso, responsabilizando o parceiro que não entende seus sinais, ou o oponente que espiou maquiavelicamente seus naipes num breve descuido...



Juan Barto
Não é como se Deus falasse chinês e eu prescindisse que algum tradutor intermediasse nossa conversa.
Não é como se Deus fosse um presidente inacessível, e eu precisasse me contentar em me reunir com seus assessores semanalmente, torcendo para o meu assunto ser homologado.
Não é como se eu dependesse que um secretário me transferisse para o ramal da diretoria.
Não é como se quem é adepto da igreja fosse licenciado, e os que não são adeptos fossem uma espécie de camelôs da espiritualidade. Pobrezinhos, usando clandestinamente um mero similar, de material ordinário que quebra fácil.
Não é como se Deus na sua mão fosse mais barato.
Trovões são as tripas dos céus, roncando com a fome do mundo todo.
Domine seu demônio particular ridicularizado-o, use os chifres dele para abrir coco.





Juan Barto
Sou um resto de "à mais"... sobejo na bandeja... um adulto que não sabe dirigir... uma criança que não dorme cedo... um velho que não tem onde cair morto, portanto, imortal.


Juan Barto




Eu rezo aos céus, aguardando Deus mandar o número do protocolo de atendimento. Nunca virá.
Prece com inscrição indeferida.
Anjos da guarda são empresários espirituais tentando, dia após dia, te agenciar para a sorte.
Alguns ela contrata, outros apenas destrata, e tem os que de vez em quando conseguem uns 'freelas'.
É preciso lembrar que nada é tão 'sim', que não possa 'mas, sei lá...'. 
Meu coração é um quarto com o chão encerado. Patine no gelo que há dentro de mim, se arrisque... me risque... me trisque!

--------------------------------------

Antes de dormir, sempre penso no cheiro das pessoas que eu amo e na voz de gente que mal fala comigo.





Juan

CHEAP SHIP

Os prédios ruminam pessoas dia e noite. Sentados, pensando na(s) vida(s).
Uma verruga de ouro na face da terra é a coroa do rei do hoje, tomando café da manhã sentado à mesosfera com os pés em cima do tampo do tempo.
Coroa é carapaça, carapuça que só serve para fazer os outros servirem.
Ela, reluzente e resiliente.
Ele, possesso por impulsos.
Sua primeira opção era sempre as últimas consequências, reflexo e refluxo de quem sabe que
cicatriz é recibo de entrega. Atestado de atingido.
Era rei porque sabia que ferida é escudo, escoriação escura de casca dura feita pra durar.
Crosta que diz "Não encosta!", mas sinaliza "Em obras".
"Breve, reinauguração"


Juan Barto