Funcionário do mês

[ CRÔNICAS, CONTOS, POESIA CONCRETA ] [ ILUSTRAÇÕES ] [ FOTOGRAFIAS ] [ VÍDEOS ]

CHEAP SHIP

Os prédios ruminam pessoas dia e noite, sentados pensando na vida.
Uma verruga de ouro na face da terra é a coroa do rei do hoje, tomando café da manhã sentado à mesosfera com os pés em cima do tampo do tempo.
Era rei porque sabia que ferida é escudo, escoriação escura de casca dura feita pra durar.
Crosta que diz "Não encosta!", mas sinaliza "Em obras".
[Breve, reinauguração]
Coroa é carapaça, carapuça que só serve para fazer os outros servirem.
Ela, reluzente e resiliente.
Ele, possesso por impulsos.
Sua primeira opção era sempre as últimas consequências, reflexo e refluxo de quem também sabe que
cicatriz é recibo de entrega. Atestado de atingido.



Juan Barto